quinta-feira, 24 de maio de 2007

Derby Azul e fósforo.

“Já lhe disse tantas vezes...Ou a senhora pára, ou sua saúde poderá sofrer graves conseqüências...”, mais uma vez esse médico idiota vem me falar de possibilidades. Sinto tanto nojo dele, da roupa limpa e do seu sorriso amarelado que poderia dá-lhe um tiro à queima roupa, olhando em seus olhos para que ele visse em meu rosto a satisfação que esse ato me traria. Médico estúpido. Só o que gasto com uma única consulta eu poderia comprar 40 carteiras de Derby Azul. Não, na verdade eu compraria 38 carteiras de Derby Azul e 25 caixinhas de fósforo. Seriam 760 cigarros e 1250 palitos de fósforo, um verdadeiro sonho. Não daria pra ter uma segunda chance de acender cada um dos 760 cigarros, mas 25 anos fumando uma carteira por dia serviu para que eu pegasse tão bem o jeito de acendê-los que existiria até a possibilidade de sobrarem 490 palitos de fósforo. Um sonho, realmente.

Mas agora esse maldito câncer e esse médico inútil querem que eu me desfaça do maior prazer da minha vida. Prefiro morrer fumando a viver meus últimos dias fazendo exercícios físicos, assistindo ao programa da Ana Maria Braga , indo a Igreja e dançando forró com velhos horríveis. Querem me envelhecer a força e tirar de mim a satisfação de fumar meu Derby Azul na janela do meu quarto, tomando um café e pensando nas coisas boas que vivi na juventude. Nem imagino meu cotidiano sem esses momentos, seria tão tedioso. Eu morreria de tristeza, com certeza. Mesmo assim ele quer que eu largue meu Derby Azul.

Eu nunca tive filhos. Casei duas vezes, dois sociopatas. Só não fui assassinada porque sempre fui tão louca quanto meus companheiros. Era tão neurótica, sofria de continuas crises de nervos, que era mais provável que eu matasse um deles. Com a menopausa tudo mudou, fiquei tão calma e serena que parece que vivo constantemente chapada. Olha que eu não fumo maconha, nunca fumei, mas um dos meus maridos fumava por isso sei o quão tranqüila fica uma pessoa chapada. Mas de cigarro eu gosto. Não qualquer um, só do Derby Azul . Quando o fumei pela primeira vez achei ruim, gosto muito forte. Mas depois ele começou a descer para o pulmão mais gostoso que o ar. Incrível mesmo. Hoje quando acordo só fico feliz depois que olho pra cabeceira da cama e vejo minha carteira de Derby Azul e a caixinha de fósforo, me esperando para o primeiro trago do dia. Momento sublime.

“Olha, a senhora precisa fazer um tratamento. Não pode ficar brincando com a saúde. A vida na terceira idade é muito delicada, mas também pode ser muito divertida...”, ele continua falando. Não consigo prestar atenção no que ele diz, um monte de baboseiras. Além do mais se eu morrer quem vai sentir falta? Não tenho amigos, nem família. Acho que nem terei um enterro. Se morto não fedesse eu ficaria para sempre no apartamento, morta ao lado de um cinzeiro cheio de bitucas e palitinhos. Acho esse fim perfeito pra mim, sinceramente.”Promete que a senhora vai ser cuidar, promete?”, eu olho pra ele e aceno com a cabeça que sim, finjo que sou uma velha boba. Saio da sala dele, pago a consulta e o exame para a secretária,ela me dá o troco: R$ 5,00. Perfeito, duas carteiras de Derby Azul. O fósforo eu já tenho.

30 comentários:

Como Mulher Raivosa disse...

Cara, uma crítica construtiva. Mas de repente me manda tomar no cu, à vontade:

Não rola fundo preto pra leitura, cansa a vista. Dá dor de cabeça e tal.

O texto é bom, o conteúdo deprime um pouco. Isso também é bom.

Como Mulher Raivosa disse...

MUITO MELHOR. Até melhor que o fundo branco.
Pow! A gente tá de madrugada ligado e tu não tens um msn, maldita (acho que está me limando, isso sim). :)

Fausto Suzuki disse...

Não, ela não tem MSN, acredita?
E, acredita que sempre me criticava pelo meu Derby azul?
aeuhaeuheuhauhae
É, o conteúdo deprime. Mas as pessoas sempre se agarram às consequências, elas "esquecem o prazer que há nisto tudo, senão, não faríamos" (Mark Renton).

Carol Assis disse...

Teria uma boa foto para seu texto, mas o melhor mesmo seria um desenho , né! Ia ficar massa. Teu blog tá um luxo ! :) E até me inspira à cuidar do meu , que até agora ainda não me engajei na coisa. Mas agora é para já.

Aplausos !!!! Beijos

Como Mulher Raivosa disse...

Mané conseqüências. Tu nunca entendeste meu ponto de vista pelo jeito, Fausto (ou simplesmente não o respeita).

Que um cara seja morto querendo viver com ursos (mesmo que todos saibam desde o início que ele vai morrer cedo ou tarde por isso); um cara morrer tentando escalar o Everest; morrer por foder quem não devia por aí; ou qualquer outra coisa que por uma experiência que lhe traga a memória uma bela recordação ou medo ou paixão, e não só a impressão de um bom dia que foi substituído pela pura idéia química de felicidade e euforia.

Como Mulher Raivosa disse...

Era só eu o chato ou mais alguém concorda que ficou melhor de ler com o fundo cinza?

Fausto Suzuki disse...

Pena você achar que não há "idéia química de felicidade e euforia" em: viver com ursos; escalar o Everest; morrer por foder quem não deveria, ou coisas assim. Não há diferença, meu caro.
Ou tu achas MESMO que o que eu estou me referindo não traz "à memória uma bela recordação
ou medo ou paixão"?
Não, não responda. É preciso viver pra isso.

Lívia Russo disse...

Meu amor, vc, hein?!
Nossa sra., se soubesse dos seus "dotes" tinha dado em cima da mulher certa (risos).
Calma, calma...era só brincadeirinha.

Ah! Preta, olha só oque o Fausto comentou abaixo de ti no meu blog... tô rindo até agora.

(concentrada agora)

Gostei muitíssimo. Na verdade, na minha opinião seu melhor texto..muito denso e simultâneamente sutil, cotidiano.
Até eu me senti uma fumante revoltada com todos os velhinhos do mundo. (risos)
E isso me levou a pensar em uma questão muito decisiva: não sei dançar forró...será que terei amiguinhos no asilo? (risos)
Um cheirinho!

Lívia Russo disse...

Ah! amiga, também achei que ficou mais "Luizinha" dessa cor... esse negócio de fundo preto..tsctsctsc...
Como diria meu amigo Tássio : "Deixa de gotiquice."
(risos)

Ficou melhor cinza...p/ leitura.

piu disse...

luiza...

ADOREI !

li tudo, gostei de tudo.
e já ansiosa pelo próximo.
que coisa mais legal a tua escrita,

:D
t adoro muito

Como Mulher Raivosa disse...

Eu não disse que não há! Diga onde eu disse isso! Não é uma discussão sobre fins, mas sobre meios. Agora se tu queres comparar a lembrança de um pico a qualquer experiência menos artificial de prazer...

Presta mais atenção no fim de Trainspotting. Tu sempre te atentas tanto ao fim, mas quando é útil...

"Não responda. É preciso viver pra isso." uahauhauahuhauhau. Ok, então.

Como Mulher Raivosa disse...

Eu só acho interessante que alguém que parece tão desanimado quanto eu defenda o "encapsulamento" de sensações.

Eu nunca questionei teus motivos, mas me é fácil, se queres saber. Então não me vem com essa de "só responda se viver". É como não poder identificar o mal antes de fazê-lo, não querendo fazer uma paralelo direto aqui.

Eu sou um hedonista acima de tudo, me agarro a isso pra me agarrar ao mundo. Mas trocar uma experiência real qualquer que me traga prazer por uma "sensação instantânea" melhor que "minha melhor foda multiplicada por mil" (entrando no teu clima do filme) é uma idéia que me desmotiva mais ainda. "Tudo bem que a alegria é química", mas enlatá-la é broxante pra mim. Tem certeza que não é pra ti?

Como eu disse, é uma discussão sobre meios. Não sobre fins.

Raoni de Holanda, a serviço de Vossa Majestade disse...

ei, me deu vontade de fumar um derby azul! (ou cor-se-rosa, tanto faz).
tua escrita evoluiu rápido p caralho, parece pokemon.

Fausto Suzuki disse...

Toda experiência é nada mais que uma experiência.
Mas ela pode se ramificar, e se tranformar em outras. Não fosse assim, não cozinharíamos a comida...
Experiências podem acabar se tornando - ainda bem - indispensáveis a nós. Tu podes imaginar mais exemplos disso. Não engarrafam água?

Como Mulher Raivosa disse...

Eu encerro a mim. Há 6 anos sabemos que esta conversa não daria em nada. Eu só achei engraçada tua "verdade absoluta" Mark Renton. Podia ter ficado só no riso, mas quis exercitar (praxe), só que vi que vai ser um bate pé sem fim, e tu vais ficar fingindo não me entender, já que estás vendendo teu peixe.

"Toda experiência é nada mais que uma expeiência". uehueheuheu. Estás precisando viajar mais (não metaforicamente).

Thalita Amanajás disse...

Luiza, Vc escreve realmente bem! Parabéns! Tenho adorado cada texto...

Beijos

Igor disse...

Uau, luiza realmente gostei do texto!!
bem, um tio meu morreu de cancer de pulmão e nunca fumou,isso é relativo demais...achei o texto uma biografia não autorizada da minha mãe(huahuahuauhauhhua),ela não tem cancer ainda...acho que ela vai cobrar copyrights

Fausto Suzuki disse...

Vamos postar, vamos, vamos...

julio miragaia disse...

seu texto é muito maduro. uma bela maneira de falar de coisinhas viciantes com pop art. Viva o Cu da Anta!!! Muito bom mesmo Luiza

Paulozab disse...

Égua Luizete. Tu me deixa orgulhoso! :**

Como Mulher Raivosa disse...

Quero Coisinha nova pra ler!

Anna Beatriz disse...

Minha linda, gostei muito do seu texto, admiro muito você , por tudo o que você é capaz de fazer. Conheço alguém que tem algo muito em comum com essa senhora neurótica .Rs

Fausto Suzuki disse...

Booooooooora, posta, bosta.

Como Mulher Raivosa disse...

Mentirosa. Disseste que ia postar.

Anônimo disse...

E ai Luiza, queria ouvir suas impressões sobre a conversa com o Pablo, o que tens em mente sobre o palafita etc. Além disso devemos ainda colocar em prática um esquema para publicar contos seus e do fausto, com o tempo outras opessoas poderão fazer tmb....fazer uma frente de trabalho nisso ai tmb.

Carol Assis

All Blog Spots disse...

nice blog

argh, lemòn disse...

...classe total, acho q o lance é o fósforo, acender com fósforo dá outro sabor, outras toxinas.

Muito bom isso aqui, considere-se linkada, mocinha.

Elva disse...

Já tem o fósforo...
será que me falta mesmo o cigarro?

poderia usar esse fósforo e esses $5,00 reais pra outra coisa?

ou nem preciso desse dinheiro, poderia dar a um mendingo na rua..
que poderia comprar um pão e um café na padaria
ou uma cachaça no boteco
ou um derby vermelho.

o que faz tanta falta realmente?
parabéns pelo texto..

PS: foi o Igor que me indicou teu blog... adorei...

bruno disse...

cigarro :(
fósforo :)

Murilo Kill disse...

Maravilhoso o Blog, você é minha fonte de inspiração *-* Parabéns pelos seus textos muito bem escritos.